Pular para o conteúdo principal

Com quase 2,3 bilhões de euros arrecadados em 2021, o setor de fintech francês está em expansão.

monitor ligado

À medida que o mundo se torna cada vez mais digitalizado, não é surpresa que o setor financeiro seja o próximo na fila para uma reforma tecnológica. Na França, essa revolução está sendo liderada por startups de fintech, que estão aproveitando novas tecnologias para criar soluções inovadoras para os setores bancário e de pagamentos. E, à medida que o ecossistema francês de fintech continua a crescer, ele está pronto para desempenhar um papel importante na promoção da economia do país.

1. O que é fintech e por que ela é importante?

2. O cenário fintech francês

3. Como a fintech está mudando os setores bancário e de pagamentos

4. O futuro da fintech francesa

1. O que é fintech e por que ela é importante?

Fintech é um termo que descreve o uso da tecnologia no setor de serviços financeiros. Ele abrange uma ampla gama de aplicativos, desde serviços bancários on-line e pagamentos até gerenciamento de patrimônio e seguros.

A fintech tem se tornado cada vez mais importante nos últimos anos, à medida que os consumidores têm se afastado dos produtos e serviços bancários tradicionais. Em resposta, os bancos e outras instituições financeiras têm investido pesadamente em startups e tecnologias de fintech. Isso resultou em algumas inovações impressionantes, como sistemas de pagamento móvel, plataformas de empréstimo peer-to-peer e moedas baseadas em blockchain.

A França tem muitos grupos que apoiam a transformação digital e projetos inovadores: BPI france, Banque de France, French Fintech Week, France Fintech, Credit Agricole, Arkea.

A Fintech se beneficia de uma estrutura regulatória estável liderada pela União Europeia. A União Europeia criou um ambiente que é atraente para investimentos estrangeiros. Esse é certamente um dos motivos pelos quais a França abriga um próspero ecossistema de fintech, com startups como Lydia, Pockit e Qonto liderando o processo. Essas empresas estão usando tecnologias de ponta para oferecer aos consumidores maneiras novas e aprimoradas de gerenciar suas finanças.

2. As empresas francesas de fintech e o cenário

O setor de fintech francês é o lar de algumas das principais empresas do mundo. Os principais participantes incluem:

-Aqoba: Aqoba é uma plataforma bancária digital que oferece produtos e serviços bancários on-line e móveis.

-Lendix: A Lendix é uma plataforma de empréstimos peer-to-peer que permite que as empresas peçam dinheiro emprestado a investidores individuais.

-Smile: A Smile é uma empresa de pagamentos móveis que oferece uma série de soluções de pagamento para empresas e consumidores.

-Boursorama: O Boursorama é um banco on-line líder na França, oferecendo uma gama de produtos e serviços bancários para consumidores e empresas.

Essas são apenas algumas das muitas empresas francesas de fintech que estão liderando em termos de inovação e crescimento.

A França recebe muitos eventos de fintech organizados, como :

  • Fórum de Fintech da ACPR AMF
  • Fórum Fintech da França
  • Barras Genius InvestGlass
  • Fórum Fintech de Paris
  • Patrimônio
  • Agefi AM para produtos financeiros
  • Eventos da Fintech R

Os bancos e as seguradoras estão organizando desafios em seus centros de fintech para estimular a criatividade das start-ups e novas parcerias:

  • Crédito Agrícola
  • Sociedade Geral
  • BNP Paribas

Isso não significa que a integração com o sistema deles seja mais fácil, mas pelo menos cria oportunidades de relacionamento.

3. Como a fintech está mudando o setor de serviços financeiros e de pagamentos

A fintech está oferecendo à gestão de ativos, aos pagamentos e ao setor bancário novas inovações em relação às suas autoridades de supervisão. O Banque de France e outras instituições estão pressionando por finanças abertas.

Open finance é um termo que descreve o uso da tecnologia no setor de serviços financeiros. Ele abrange uma ampla gama de aplicativos, desde serviços bancários e pagamentos on-line até gerenciamento de patrimônio e seguros.

As finanças abertas têm se tornado cada vez mais importantes nos últimos anos, à medida que os consumidores têm se afastado dos produtos e serviços bancários tradicionais. Em resposta, os bancos e outras instituições financeiras têm investido pesadamente em startups e tecnologias de finanças abertas. Isso resultou em algumas inovações impressionantes, como sistemas de pagamento móvel, plataformas de empréstimo peer-to-peer e moedas baseadas em blockchain.

A França tem muitos grupos que apoiam a transformação digital e projetos inovadores: BPI france, Banque de France, French Fintech Week, France Fintech, Credit Agricole, Arkea.

vista aérea dos edifícios da cidade durante o dia

As finanças abertas se beneficiam de uma estrutura regulatória estável liderada pela União Europeia. A União Europeia criou um ambiente que é atraente para investimentos estrangeiros. Essa é certamente uma razão pela qual a França abriga um próspero ecossistema de finanças abertas, com startups como Lydia, Pockit e Qonto liderando o processo. Essas empresas estão usando tecnologias de ponta para oferecer aos consumidores maneiras novas e aprimoradas de gerenciar suas finanças.

Por exemplo, a SILVR está apoiando empresas B2C baseadas na Internet com soluções inovadoras de financiamento. Eles esmagam o big data e o open banking para oferecer empréstimos e, portanto, oferecer estabilidade financeira a empresas de Internet em crescimento. Isso está oferecendo um novo tipo de solução para grupos financeiros.

Essa revolução financeira impulsionada pela tecnologia não se restringe apenas aos bancos, mas também aos pagamentos. A fintech está desenvolvendo novas formas de pagamento, como a Lydia, a Glance Technologies ou a Paylib.

O Lydia é o primeiro aplicativo móvel gratuito que permite a qualquer pessoa com um smartphone enviar e receber dinheiro instantaneamente entre amigos, quer tenham uma conta Lydia ou não. O ecossistema de fintech da França está muito orgulhoso dessa solução.

A fintech provou ser um setor muito resiliente e, com frequência, é um dos primeiros a inovar em tempos difíceis. Por exemplo, após a crise financeira global de 2008, as empresas de fintech desenvolveram novas maneiras de gerenciar e emprestar dinheiro. Isso ajudou a reanimar a economia e a proporcionar o alívio tão necessário aos consumidores e às empresas. Se tivermos outra crise econômica, podemos apostar que as startups e todo o ecossistema apresentarão soluções inovadoras para apoiar o crescimento, o pagamento e reduzir os riscos globais de empréstimos a novas empresas.

Em tempos difíceis, a fintech pode proporcionar a tão necessária estabilidade e inovação ao setor de serviços financeiros. Isso faz com que esse seja um setor importante para se observar e investir.

monitor ligado

4. O futuro da fintech francesa em um ecossistema financeiro competitivo

A França terá que resistir à pressão das grandes empresas: Google Cloud, AWS Cloud, Alicloud, soluções da Apple. A nova edição do pagamento da Apple agora está oferecendo a opção de comprar agora e pagar depois. Essa é uma grande ameaça para as fintechs francesas especializadas nesse domínio.

A União Europeia está tentando proteger as start-ups implementando novas regulamentações que favorecem a inovação. Essas regulamentações incluem a diretiva PSD2, que exige que os bancos abram seus sistemas para as empresas de fintech e permitam que elas ofereçam soluções de pagamento inovadoras. Isso ajudará as empresas de fintech a competir com as grandes empresas do setor de serviços financeiros.

O governo francês também está fazendo sua parte para apoiar o setor de fintech. Em 2016, o governo francês lançou uma estratégia nacional de fintech, que visa promover a inovação e o crescimento no setor. Essa estratégia inclui uma série de medidas para apoiar as empresas de fintech, incluindo incentivos fiscais, regulamentação simplificada e investimento em infraestrutura.

O futuro parece brilhante para a fintech francesa, que continua a crescer e inovar. O setor está atraindo investimentos de investidores nacionais e internacionais e está pronto para crescer ainda mais nos próximos anos.

pessoa segurando um smartphone android preto

A União Europeia criou um regulamento chamado GDPR, no qual o processamento de dados agora é mais restrito. O GDPR tem como objetivo dar mais poder às pessoas quando se trata de seus dados. Isso ajudará a evitar que as empresas abusem dos dados dos clientes e permitirá que eles tenham mais controle sobre seus dados. O acesso aos dados será mais difícil para as empresas, o que dificultará o desenvolvimento de novos produtos e serviços. Isso pode prejudicar a inovação no setor de fintech, pois as startups terão mais dificuldade para obter acesso aos dados.

A União Europeia também está trabalhando na regulamentação da inteligência artificial, que terá impacto sobre o sistema financeiro. O desafio para a União Europeia é criar condições equitativas para todas as empresas, independentemente de seu tamanho. Essa será uma tarefa difícil, pois as grandes empresas têm mais recursos para desenvolver e implementar a inteligência artificial.

A Fintech francesa está pronta para impulsionar o ecossistema financeiro - sim, mas...

A fintech francesa está pronta para crescer nos próximos anos. O setor tem atraído investimentos de investidores nacionais e internacionais. Para conquistar o mundo, a inovação e as startups terão de ser mais capitalizadas, para criar uma vantagem competitiva inegável e expertise industrial.

Fintech francesa